Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 33 Número 5
Maio 2020

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

17- Rabdomiólise.

18- Terapia familiar sistémica: um novo conceito, uma nova prática.

19- Abordagem diagnóstica das neuropatias periféricas.

20- Colestase intra-hepática da gravidez. Etiopatogénese, prognóstico e terapêutica.

 
   

Tomografia de Coerência Ótica na Orientação Precoce das Queratites Infeciosas: Um Estudo Transversal



Introdução: As queratites infeciosas são uma causa importante de perda da acuidade visual. O objetivo deste estudo foi investigar padrões das queratites infeciosas na tomografia de coerência ótica do segmento anterior e avaliar o seu papel na orientação precoce desta patologia.
Material e Métodos: Neste estudo transversal, incluímos doentes com queratite infeciosa comprovada, por cultura microbiológica ou prova terapêutica. Os doentes foram submetidos a tomografia de coerência ótica do segmento anterior na baseline (Spectralis® anterior segment module, Heidelberg Engineering, Germany) executados pelo mesmo operador. Adquiriram-se cortes verticais e horizontais de 6,0 mm com tomografia de coerência ótica spectral domain.
Resultados: Foram incluídos 25 doentes (14 homens e 11 mulheres). Os fatores de risco mais comummente identificados foram o trauma ocular (11 casos) e o uso de lentes de contato (sete casos). Quinze doentes apresentaram infeção bacteriana, três infeção fúngica, dois infeção parasitária e cinco casos apresentaram culturas microbiológicas negativas. Distinguiram-se nove padrões morfológicos na tomografia de coerência ótica do segmento anterior.
Discussão: A tomografia de coerência ótica do segmento anterior permite avaliar a profundidade do envolvimento corneano na queratite infeciosa. Quando os únicos padrões identificados eram a lesão estromal hiper-refletiva e edema estromal o outcome visual foi melhor. Os espaços quísticos observaram-se nas queratites bacterianas graves.
Conclusão: A tomografia de coerência ótica do segmento anterior permite complementar a biomicroscopia, melhorar o estadiamento e fornecer informação prognóstica útil nas queratites infeciosas.

Leia o artigo completo aqui (apenas em Inglês).