Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 33 Número 7-8
Julho-Agosto 2020

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

17- Rabdomiólise.

18- Colestase intra-hepática da gravidez. Etiopatogénese, prognóstico e terapêutica.

19- Diferenças farmacodinâmicas e farmacocinéticas entre os SSRI: implicações na prática clínica.

20- Neuroanatomia funcional. Anatomia das áreas activáveis nos usuais paradigmas em ressonância magnética funcional.

 
   

Abordagem do Doente com Psoríase pela Medicina Geral e Familiar: Algoritmo de Referenciação e Gestão Partilhada com a Dermatologia



Introdução: A implementação de modelos capazes de melhorar a referenciação, por forma a garantir a qualidade e precocidade do diagnóstico, o melhor tratamento e seguimento do doente psoriático é fundamental.
Material e Métodos: Um painel de médicos de Medicina Geral e Familiar e Dermatologia discutiu e criou um algoritmo de referenciação simples, eficaz e célere de doentes com psoríase.
Resultados: O algoritmo proposto inicia-se quando o clínico de Medicina Geral e Familiar suspeita de psoríase. Caso haja dúvidas no diagnóstico, o doente deve ser referenciado para a dermatologia. No caso de um diagnóstico confirmado, compete ao clínico de Medicina Geral e Familiar avaliar a gravidade e perfil de respondedor do doente, rastrear comorbilidades e a possibilidade de artrite psoriática. Se a psoríase for ligeira, deverão ser iniciados tratamentos tópicos, sendo que, se não houver melhoria clínica ou ocorrer agravamento da doença, o doente deverá ser referenciado para a dermatologia. Se a psoríase for considerada moderada a grave, em localizações de elevado impacto, ou em idade pediátrica, o doente deverá ser referenciado para a dermatologia. Para que o seguimento e tratamento destes doentes seja partilhado, é fundamental que o médico de Medicina Geral e Familiar tenha o conhecimento necessário sobre os tratamentos sistémicos que o doente está a fazer e os seus efeitos adversos.
Discussão e Conclusão: Apenas uma gestão partilhada do doente psoriático poderá tornar possível o melhor tratamento e seguimento destes doentes, a utilização mais racional dos recursos médicos disponíveis, proporcionando ao doente a melhor qualidade de
vida possível.

Leia o artigo completo aqui (apenas em Português).