Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 33 Número 7-8
Julho-Agosto 2020

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

17- Rabdomiólise.

18- Pancreatite aguda. Actualização e proposta de protocolo de abordagem.

19- Ectopia pancreática.

20- Ectopia pancreática.

 
   

Resposta a Comentário sobre o Artigo Publicado em Acta Med Port 2020; Apr 27; doi:10.20344/amp.13928



We are grateful for the interest and comments of our recently published study on excess mortality estimation during the COVID-19 pandemic in Portugal.
The aim of our investigation was essentially to be factual about the observed excess all-cause mortality. Therefore, in our paper we separate excess mortality calculations from possible contributory explanations, where several could be acting simultaneously. From our perspective, usual estimates are performed by comparing with homologous period in recent years, assuming ‘normal conditions’. We found it important to highlight that such procedure might not be correct in the real lockdown period. Our scenarios are intended to promote discussion and to demonstrate that the observed excess mortality is higher than what has been discussed. There is nothing alarming about assuming at least 2400 to 4000 deaths as the estimations are explained and supported by both science and data.

Leia a Carta ao Editor aqui (apenas em inglês).