Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 34 Número 3
Março 2021

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

17- Rabdomiólise.

18- Colestase intra-hepática da gravidez. Etiopatogénese, prognóstico e terapêutica.

19- Colestase intra-hepática da gravidez. Etiopatogénese, prognóstico e terapêutica.

20- Ectopia pancreática.

 
   

Profilaxia Farmacológica do Tromboembolismo Venoso em Doentes Terminais: Uma Necessidade ou um Desperdício?



O presente caso pretende clarificar qual a verdadeira necessidade de manter sob terapêutica anti-trombótica os doentes oncológicos terminais que tiveram um evento trombótico no decorrer da evolução da sua doença de base. O caso em questão aborda um doente de 63 anos com uma neoplasia do antro gástrico em estadio IV, totalmente acamado, hipocoagulado com enoxaparina subcutânea há mais de um ano, no seguimento de uma trombose venosa profunda no membro inferior esquerdo. Após revisão da literatura, constatou-se que em doentes em fim de vida, a anticoagulação parece ter pouco benefício, visto que o principal objetivo não é o prolongamento da vida, mas sim a preservação da melhor qualidade de vida possível através de práticas cuja evidência no alívio do sofrimento está bem documentada.

Clique aqui para aceder ao artigo completo (apenas em inglês).