Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 34 Número 4
Abril 2021

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Inversão uterina.

16- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

17- Rabdomiólise.

18- Síndrome linfoproliferativo autoimune.

19- Abordagem diagnóstica das neuropatias periféricas.

20- Síndrome linfoproliferativo autoimune.

 
   

Consumo de Álcool nos Estudantes do Ensino Superior de Coimbra e o Impacto das Festas Académicas



Introdução: Na literatura internacional, nacional e em estudos no ensino superior em Portugal os jovens apresentam consumos alcoólicos excessivos e binge drinking. Contudo, não se encontra estabelecida qualquer relação entre o consumo e as festas académicas. O objectivo deste estudo foi compreender a associação entre consumo de bebidas alcoólicas e festas académicas, estabelecendo uma relação entre estes momentos e um padrão específico de consumo, bem como perceber a ocorrência de padrões específicos de consumo de acordo com o sexo e os anos de frequência escolar.
Material e Métodos: Foi elaborado um questionário, constituído pelo “Alcohol Use Disorders Identification Test – Consumption” (AUDIT-C) e apresentando a questão “Qual a bebida mais consumida?” num mês com festas académicas e num mês sem que se realizassem. O questionário dirigido a alunos da Universidade de Coimbra e do Instituto Politécnico de Coimbra, foi divulgado na página de Facebook® da Universidade de Coimbra.
Resultados: Na amostra de estudantes do ensino superior de Coimbra, com idade igual ou superior a dezassete anos (n = 503), o AUDIT-C em mês com festas académicas é superior ao mês sem festas, verificando-se correlação positiva forte e significativa (ρ = 0,711; ρ < 0,001). Em mês sem festas académicas, 41,8% do sexo feminino e 24,0% do sexo masculino apresentam AUDIT-C positivo. Em mês com festas académicas 73,8% do sexo feminino e 56,3% do sexo masculino apresentam AUDIT-C positivo. O sexo feminino apresenta maior risco de consumo excessivo (ρ < 0,001) e bebe mais bebidas espirituosas / shots. Há diferença significativa entre sexos quanto à bebida mais consumida (ρ < 0,001).
Discussão: O consumo de alcool é superior nos primeiros anos, embora as festas académicas pareçam ter um impacto proporcional independente do número de matrículas. Em mês com festas académicas, há maior frequência de binge drinking e de consumo superior ao máximo diário recomendado. O sexo masculino revela aumento do consumo de bebidas espirituosas / shots.
Conclusão: As festas académicas fomentam as ocasiões de binge drinking pré-existentes, residindo o problema na forma como os jovens abordam o consumo de álcool.

Clique aqui para aceder ao artigo completo.