Untitled
esquerda


Leia a Última Edição!

II Série Volume 35 Número 1
Janeiro 2022

E-ALERT:

menu esquerda
 
   
 
 
 
 


  1- Factores de recorrência das lesões intraepiteliais do colo do útero.

2- Duodenoscopia e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (cpre) no diagnóstico da patologia biliar e pancreática. Experiência dos primeiros 150 exames.

3- Mefedrona, a Nova Droga de Abuso: Farmacocinética, Farmacodinâmica e Implicações Clínicas e Forenses

4- História natural da dilatação pielocalicial pré-natal.

5- Drogas antidepressivas.

6- Erisipela.

7- Abordagem terapêutica das úlceras de pressão--intervenções baseadas na evidência.

8- Traumatismo Crânio-Encefálico: Abordagem Integrada

9- Ulceras genitais causadas por infecções sexualmente transmissíveis: actualização do diagnóstico e terapêuticas, e a sua importância na pandemia do VIH.

10- Abordagem actual da gota.

11- Vasculite livedóide.

12- Cisto de Tarlov: definição, etiopatogenia, propedêutica e linhas de tratamento.

13- Tratamento antibiótico da cistite não complicada em mulheres não grávidas até à menopausa.

14- Urolitíase e cólica renal. Perspectiva terapêutica em Urologia.

15- Neurofibromatose tipo 1 em idade pediátrica: o que vigiar?

16- Neurofibromatose tipo 1 em idade pediátrica: o que vigiar?

17- Hipoplasias cerebelosas.

18- Osteopatia estriada com esclerose craniana.

19- Demência frontotemporal: que entidade?

20- Princípios básicos em cirurgia: fios de sutura.

 
   

Tuberculose em Idade Pediátrica: Experiência de 12 Anos num Centro Terciário de Referência em Portugal



Introdução: Em Pediatria, o diagnóstico de tuberculose constitui um desafio, pois a doença pode frequentemente manifestar-se através de formas graves e extrapulmonares. O objetivo deste estudo foi avaliar e refletir sobre a tuberculose grave com necessidade de internamento, em idade pediátrica, numa área metropolitana de Lisboa.
Material e Métodos: Estudo descritivo de doentes com idade inferior a 18 anos, internados com o diagnóstico de tuberculose num hospital pediátrico terciário, de 2008 a 2019 (12 anos).
Resultados: Identificados 145 doentes, numa média de 12 casos por ano, e um aumento do número de casos nos últimos três anos. A mediana de idades dos doentes era de 12,9 anos, 42,8% nascidos em países africanos de língua oficial portuguesa e 20% tinham doença crónica. Diagnosticou-se tuberculose pulmonar em 52,4% (n = 76) e tuberculose extrapulmonar em 47,6%: ganglionar (n = 26), óssea (n = 15), miliar (n = 8), meníngea (n = 7), peritoneal/intestinal (n = 6), pleural (n = 4), renal (n = 1), cutânea (n = 1), da parede torácica (n = 1) e glândulas salivares (n = 1). A prova tuberculínica foi positiva em 78/99 (78,8%) e o Interferon Gamma Release Assay em 61/90 (67,8%). Em 20,7% (n = 30) identificaram-se bacilos ácido-álcool resistentes no exame direto do suco gástrico/expetoração e o agente foi identificado em 59,3% (n = 86). A tuberculose resistente ocorreu em 11% (n = 16). Os doentes com tuberculose extrapulmonar eram mais jovens (p = 0,006) e fizeram tratamentos mais prolongados (p < 0,001). Ocorreram complicações da terapêutica em 11% (n = 16). Registou-se um óbito numa doente com neoplasia avançada.
Conclusão: Este estudo alerta para a necessidade do rastreio da infeção em crianças de países endémicos, imunossuprimidos e com doença crónica.

Leia aqui o artigo completo.